Sim, há mais DRTs saindo do forno – Parte 1

De tempos em tempos, artistas de outras áreas aventuram-se na telona e obtêm grande êxito. Num passado recente, quem me vem à memória para melhor exemplificar isto é a islandesa Bjork. A cantora mergulhou quase ao limite da insanidade para compor sua conturbada e poética Selma, de Dançando no Escuro. Jurando nunca mais participar de um longa, depois da experiência com o “carrasco” Lars Von Trier, Bjork deixou-nos simplesmente com a melhor interpretação feminina do ano de 2000 (premiada com a Palma de Ouro em Cannes).

Dois outros ícones da música estão em cartaz atualmente e, se não tão viscerais quanto a islandesa, mostram que dão conta do recado muito bem. A primeira delas é Norah Jones. Cantora de voz macia, que embala romances nas novelas das oito globais e detentora de inúmeros Grammy, ela vive Elizabeth (ou Lizzie ou Beth) no mais recente longa de Wong Kar-Wai, Um Beijo Roubado.

Kar-Wai é um cineasta meticuloso que dá tanta atenção à fotografia e à trilha sonora quanto ao roteiro. Vendo os seus filmes você sempre fica em dúvida sobre o que está mais bem elaborado, de tão sofisticado que tudo lhe parece. Seu último longa, 2046, foi, na opinião do modesto dono deste blog, o melhor filme de 2006.

Um Beijo Roubado é sua primeira incursão na América. Tanto o título original – My Blueberry Nights – quanto o brasileiro, numa rara ocasião, traduzem perfeitamente o espírito do filme. Nele, Beth (ou Lizzie ou Elizabeth) é uma garota que atravessa o país para esquecer um amor. Entre Nova York, Memphis e Las Vegas, cruzam o seu caminho Jeremy (Jude Law, cada vez mais sexy e melhor ator), um dono de bar que reconhece as pessoas pelos pedidos e que também cura as feridas de uma relação desfeita; Arnie (David Strathairn), um policial alcoólatra inconformado com a separação de Sue Lynne (a estonteante Rachel Weisz) e Leslie (Natalie Portman, com a cara de Britney Spears), uma viciada em jogo perdida na relação de amor e ódio que mantém com seu pai.

A Lizzie (ou Beth ou Elizabeth) do final da história não é a mesma do começo. Todos os personagens têm um objetivo simples, o difícil é colocarem em prática o que desejam. No fundo, o que eles querem é se encontrar.

Wong Kar-Wai adaptou um antigo curta-metragem seu em homenagem à Norah Jones. Ele não escondeu de ninguém que o filme só existe por causa dela, sua inspiração máxima para compôr a personagem principal. Proibiu-a de fazer aulas de interpretação para que não lhe afetassem a naturalidade. A julgar pelo resultado, se a mesma resolver encarar um Actor’s Studio, não vão sobrar muitos papéis para as Kate Hudson e Gwyneth Paltrow da vida! Norah Jones brilha!

Cotação (de 0 a 5): 4,5 – Iguaria fina

Anúncios

4 Respostas to “Sim, há mais DRTs saindo do forno – Parte 1”

  1. Wong Kar Wai se vendeu…
    Sinceramente… é o filme mais fraco de toda a sua carreira…
    Onde está aquela forma peculiar do cineasta para lidar com os relacionamentos.
    Não existe profundidade nenhuma, somos bombardeados com diálogos repletos de clichês e uma “atriz” vergonhosa.
    Somente a Rachel brilha nesse filme, só ela está a altura das divas chinesas dos filmes antigos de Kar Wai.

  2. Ai, “diretor tal se vendeu” é um lugar comum sem tamanho, não?

    Assim como sempre preferirem os primeiros filmes e ignorarem os mais recentes e “populares”.

    Vc viu “Dias Selvagens”, um dos primeiros dele? Um amontoado de personagens estranhos e apenas resquícios do que ele viria a se tornar.

    E a Norah Jones está bem e todo o elenco tb, não só a Rachel Weisz.

    Um filme mto simples, mto bem dirigido, mto bem fotografado (como sempre) e delicioso!

  3. Eu também concordo. Não vejo problema em ver beleza em filmes simples, com histórias curtas, quase um sonho comprido. Se o Wong-Kar Wai se vendeu, foi pra fazer aquele comercial da Philips, da TV Aurea. rsrsrs Logo, ele não precisava destes caraminguás.

  4. Bom dia, gostaria de saber o que é um registro para modelo fotográfico onde e como faço para consegui-lo. Qual local devo procurar. Eu moro em CláudioMG. Obrigada

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: