Arquivo para setembro, 2008

O que fazem Tom Ford e Julianne Moore juntos?

Posted in Al dente with tags , , , on setembro 24, 2008 by claesen

Com uma carreira na moda pra lá de consolidada, Tom Ford – que sempre será associado à Gucci, grife que reviveu nos anos 90 graças às suas mãos – agora resolveu virar diretor de cinema.

O bonitão está terminando a adaptação de A Single Man, romance de Christopher Isherwood, que pretende levar às telas em breve. A história fala de um professor universitário gay que se depara com a morte de seu amante. Ele será ajudado por uma velha amiga e um jovem estudante da universidade.

Nos papéis? Fala-se em Colin Firth como professor, Julianne Moore interpretando a amiga e Jamie – Billy Elliot – Bell, o jovem estudante. O diretor estreante pretende começar as filmagens em novembro, apesar de na bíblia do cinema – o site IMDb – o filme sequer aparecer relacionado ao nome dos atores citados.

A história se passa na Los Angeles de 1962. A julgar por isso – se o filme sair mesmo e vindo de quem vem – podemos esperar os figurinos mais arrebatadores do ano.

Peter Bjorn & John: pra dançar assoviando

Posted in Sugestão da casa with tags , , , , on setembro 22, 2008 by claesen

O Festival Invasão Sueca – o de line-up mais reduzido de todos os festivais paulistanos deste semestre – chega a mais uma edição nesta semana.

Amanhã e quarta-feira o público da cidade tem a chance de conferir no Studio SP (Rua Augusta, 591, telefone 3129 7040, R$ 50) o som do Shout Out Louds e do Peter Bjorn & John. Eternizados como a banda da música do assovio, PB&J ficaram famosos com a canção e agora estão lançando o quarto álbum, todo instrumental, Seaside Rock.

Segue essa deliciosa canção que, infelizmente, não encontra nenhuma à altura no resto do álbum Writer’s Block, de 2006, do qual ela faz parte. Para matar a saudade – ou deixar com vontade de ir aos shows dos caras – eis Young Folks:

PS: Este post é dedicado ao meu amigo Lipp Sant’angelo que conheceu a música junto comigo numa sexta-feira do D-Edge. No dia seguinte, com uma interrogação na cabeça maior do que as bundas da Mulher Melancia e da Mulher Jaca juntas, ele contatou o DJ da noite – Edu Corelli – e assoviando-a e cantarolando-a descobriu a banda e a canção. Dias depois, comemoramos na festa Rebel – do meu amigo Fabilipo -, no Vegas, que colocou-a no line-up da noite apenas para atender a um pedido meu. Daquelas músicas que marcam um momento para sempre.

Para quem estiver pela Augusta hoje…

Posted in Sugestão da casa with tags , , , on setembro 19, 2008 by claesen

O clássico dos clássicos dos belgas do Vive La Fête entra no Digestão pra homenagear a dupla que discoteca hoje no Vegas (Rua Augusta, 765, São Paulo, tel. 3231 3705).

Para quem não puder ir, a banda volta a São Paulo dia 10 para show na The Week. Segue, então, Noir Desir, em homenagem a Regina Pereira, minha antiga roommate que tanto gritou junto com a Els Pynoo:

Mulheres: Vai um genérico de Sex and the City aí?

Posted in A la carte with tags , , , , , , on setembro 18, 2008 by claesen

A comparação com o “filme feminino” do verão é inevitável, mas Mulheres – O Sexo Forte, que estréia dia 26 de setembro nos cinemas, também inspirou-se muito em outro filme para meninas: O Diabo Veste Prada. Com dramas de amor, muitas grifes e mais uma pitada (ou seria um punhado?) de auto-ajuda está pronta a receita que os estúdios americanos encontraram para repercutir o filme entre o público feminino.

Não que Mulheres tenha tido êxito. A estréia nas bilheterias americanas no último fim de semana foi modesta – um 4º lugar – e com as péssimas críticas que o filme obteve por lá é provavél que figure no final do Top Ten da próxima semana. Dá para entender o por quê, mas não sem uma ponta de tristeza, pois o filme reúne um bom elenco e boas intenções. Mas de boas intenções…

O longa é baseado em um filme de 1939 de George Cukor e também na peça teatral de Claire Boothe Luce, de 1936. Uma curiosidade: tanto no filme de Cukor, quanto no da estreante Diane English, todas as cenas são preenchidas por mulheres. Sim, em nenhuma cena – seja na rua, nas lojas de departamentos ou em qualquer outro lugar – aparece um homem.

A história gira em torno de Mary Haines (Meg Ryan – estupidamente linda), uma esposa perfeita que descobre que é traída com uma perfumista da Saks, personagem da supervalorizada Eva Mendes. As amigas da primeira farão de tudo para protegê-la e vingá-la, em especial Sylvie (Annette Bening), uma editora de moda às voltas em uma crise de vendagem de sua revista e que terá sua amizade com a protagonista colocada em cheque. Completam o grupo, mas com menos destaque na trama, Edie (Debra Messing, será que um dia vou perder o vício de assistir Will & Grace na cama?) e Alex (Jada Pinkett Smith), respectivamente, a parideira e a lésbica da história.

As atuações oscilam do natural ao over, muito em decorrência do texto, que ora solta pérolas e ora resvala num lugar-boboca-sentimentalóide-dignificante-comum de dar pena. A carinha de coitada de Meg Ryan (apesar de esforçada) continua a mesma, mas Candice Bergen, como a sua mãe, rouba a cena. A atriz já havia trabalhado antes com a diretora na série de tevê Murphy Brown. English é a criadora, produtora e roteirista da série.

Sim, algumas farpas lembram o melhor de O Diabo. Há um momento em que Sylvie, dirigindo-se à filha de cinco anos de sua amiga que grita no meio da loja, diz: Querida, preste bem atenção, pois essa informação você levará para a vida toda: Ninguém odeia a Saks. No entanto, o modelo “amigas em trapalhadas” remete mesmo à S&TC e fica tão raso e sem sal quanto o original. Neste caso, o genérico nem mais barato é.

Cotação (de 0 a 5): 3,0 – Arroz com feijão

Ting Tings por aqui? Só na tela do pc

Posted in Al dente with tags , on setembro 16, 2008 by claesen

Não há como o Ting Tings lançar um vídeo novo e não falar deles. Depois de uma rápida passagem pelo VMA, uma das únicas bandas bacanas que não vem ao Brasil este ano, solta Be The One, o quarto vídeo de We Started Nothing. Infelizmente, We Walk, a mais bacana do álbum, segue ignorada comercialmente. Be The One não é nada demais, mas vale o registro.

Mamma Mia!: Elenco esforçado garante a diversão

Posted in A la carte with tags , , on setembro 16, 2008 by claesen

Adaptação de um musical de sucesso da Broadway, Mamma Mia!, em cartaz nos cinemas, entrega o que promete: um divertido conto de fadas com a deslumbrante paisagem grega como cenário e recheado de canções do grupo sueco Abba.

O ponto de partida se dá quando Sophie (a revelação Amanda Seyfried) lê o diário da mãe e fecha o cerco em três “suspeitos” que podem ser seu pai. Sophie escreve uma carta aos três convidando-os para o seu casamento. Os três comparecem pensando se tratar de um convite feito pela ex-paixão de suas vidas, a mãe de Sophie, Donna (Meryl Streep).

Entre os preparativos do casamento e as trapalhadas da garota para saber qual dos três é seu verdadeiro pai, uma enxurrada de canções genuinamente pop invadem a ilha grega. Mesmo resvalando em clichês, com várias falhas no roteiro e alguns atores com vozes entre o sofrível e o razoável, as seqüências musicais são encantadoras. Em especial, a de Dancing Queen, uma manjada apologia ao feminismo, mas com atrizes e figurantes tão cheios de energia e frescor que a deixaram bastante estimulante.

E há Meryl Streep. Impressionante ver o que a aclamada atriz – uma Fernanda Montenegro da América – pode fazer. Reverenciada por ser versátil, aos 59 anos, ela canta, dança e pula como uma garota que se entrega ao papel mais importante de sua vida. Para Meryl é assim: todos os papéis são únicos e ela os faz com a mesma intensidade. E quem sai ganhando somos nós.

Cotação (de 0 a 5): 3,5 – Comidinha honesta

Kaiser Chiefs: Novo single não empolga

Posted in Al dente with tags , , , , on setembro 11, 2008 by claesen

Depois da maior ausência desde que o Digestão existe e a pedidos dos meus leitores, estou de volta.
Na verdade, para quem ainda não sabe, este blog ficará de cara nova em breve – com formato e conteúdo diferentes – mas enquanto ele não passa pelo radical Extreme Makeover – que minha amiga Margarete Pinto odeia rs – vamos nos comunicando através deste formato mesmo.

Ricky Wilson já teve dias melhores, é verdade, mas não é por isso também que vamos ignorar o primeiro single extraído do terceiro álbum da banda, Off With Their Heads. Produzido por Mark Ronson – que de tão requisitado vai acabar produzindo até Sandy & Junior – o álbum novo do Kaiser Chiefs será lançado lá fora dia 14 de outubro.

Segue o vídeo da apenas razoável Never Miss A Beat. No dia 08 de novembro eles estarão por aqui no Planeta Terra. Então, isso abre o apetite ou enterra de vez a vontade de vê-los ao vivo?